São José Bilczewski — 20 de Março

0

Por Olívia Rodrigues

José nasceu, em Wilamowice, Polónia, a 26 de Abril de 1860, numa família católica, de pequenos agricultores e numerosa, tendo sido ele o primogénito de nove filhos.

A mãe, em casa, foi a sua primeira e principal catequista e a responsável pela entrada no Seminário Diocesano de Cracóvia, depois de ter frequentado outros estabelecimentos de ensino onde, deixou marcas pela sua conduta e pelo seu excelente aproveitamento.

Após a ordenação sacerdotal realizada, a 6 de Julho de 1884, e de um ano de trabalho pastoral intenso e muito empenhado, continuou os estudos em Viena, em Roma, e em Paris, doutorando-se em Teologia Dogmática. Foi professor e reitor da Universidade de Lviv, e a 18 de Dezembro de 1900, nomeado Arcebispo, da mesma cidade, para o rito latino, recebendo a ordenação episcopal, no dia 20 de Janeiro de 1901.

Angariou muita estima entre alunos, docentes e o povo de Deus, a quem se dedicou totalmente, mas também inimizades desencadeadas, sobretudo, pela Primeira Guerra Mundial (1914-1918), pela Guerra Polaco-Ucraniana (1918-1919) e pela Invasão Bolchevique (1919-1920). Estes conflitos trouxeram muita perseguição e sofrimento, sobretudo, para a Igreja Católica. Dom José Bilczewski intercedeu junto das autoridades civis a favor de judeus, de polacos e de ucranianos, muitas das vezes com pouco ou nenhum êxito, acumulando em si angústias sobre angústias e, tornando-se o seu episcopado muito difícil.

Zeloso pastor tudo fez pelo seu rebanho, atento ao sofrimento humano exerceu: apostolado junto dos pobres, dos doentes, das crianças e das mulheres abandonadas, dos encarcerados e do clero, especialmente, atormentado; em três anos a sua arquidiocese, perdeu cerca de cento e vinte sacerdotes vítimas da guerra.

O seu carácter calmo e cheio de compaixão, a humildade, a bondade e a generosidade para com todos, aliados à devoção a Nossa Senhora e ao Coração de Jesus constituíram o sustentáculo de uma vida tão cheia de contrariedades e de dores.

Este fiel e paciente servo de Deus faleceu, a 20 de Março de 1923, na sua Arquidiocese de Lviv, na Ucrânia, entre o povo, a quem tanto queria e que tanto o estimava; nela foi também beatificado pelo seu conterrâneo, o Papa São João Paulo II, a 26 de Junho de 2001, durante a Visita Apostólica que, aquele Pontífice fez à Ucrânia, de 23 a 27 de Junho de 2001. Quanto à canonização, esta teve lugar em Roma, no dia 23 de Outubro de 2005, em cerimónia presidida por Sua Santidade o Papa Bento XVI.