Em tons de valsa Aguarela-fogo (I)

0

Algures, num fim de tarde de inverno, cinzentão, sereno, silencioso – um convite à melancolia e às lembranças, também um apelo veemente a um amanhã ainda frio mas soalheiro, céu azul semeado de algodão alvo aqui e além – uma mulher nos seus quarentas, olhar perdido, rosto pensativo, arrancava uma folha a um calendário, imagine-se, feito ainda de papel. Findara mais um mês. No próximo inverno já seria um novo ano. E a seguir outro, outro, e mais outro…

É necessário iniciar sessão para ver o restante conteúdo... Por favor . Ainda não é Assinante? Torne-se Assinante!