Beato José Timóteo Giaccardo — 24 de Janeiro

0

Por Olívia Rodrigues

José nasceu, a 13 de Junho de 1896, em Narzole, Itália, no seio de uma família cristã de fracos recursos económicos.

Teve uma infância normal para um rapaz da sua condição social, assim: o tempo que lhe restava da escola era, totalmente, aplicado na ajuda aos pais e na colaboração na paróquia, onde conheceu o Padre Tiago Alberione – fundador da futura Pia Sociedade de São Paulo.

A amizade que se desenvolveu entre ambos durou toda a vida: o menino desejoso de se consagrar ao Senhor ingressou, pela mão do seu amigo, no Seminário de Alba e depois, em 4 de Julho de 1917, na Família Paulina, tendo sido o primeiro sacerdote a ser ordenado neste instituto, a 19 de Outubro de 1919; facto considerado como sinal de que a Obra, dedicada ao apostolado através da Comunicação Social, era querida e desejada
por Deus.

A passagem pela Terra do Padre Timóteo, nome que adoptou, foi totalmente, dedicada ao serviço do irmão: colaborando com o fundador na instituição da Congregação das Irmãs Discípulas do Divino Mestre, tarefa muito sofrida pela qual ofereceu a sua própria vida ao Senhor; dirigindo vários periódicos; escrevendo obras de incalculável valor espiritual, sobretudo, o seu “Diário”; apoiando todos os que precisavam de um conselho ou de uma
palavra amiga; assistindo no confessionário; visitando pobres e doentes; acompanhando marginais enfim, estando sempre onde a sua presença era necessária.

A queda que tinha pela juventude e a dedicação que, lhe dispensava vinham do tempo do Seminário, não admira pois, ter-se revelado um excelente mestre de noviços, muito amado, ouvido, seguido e considerado por todos; sem sombra de dúvidas que a designação de “Senhor mestre” lhe assentava na perfeição.

Dele escreveu Tiago Alberione: “Foi o coração e a alma da Família Paulina. Quem quiser conhecer alguém que encarnou, totalmente, o ideal e o carisma da missão paulina em sua integridade, deve olhar o Senhor mestre”.

A força deste homem incansável, que imprimiu a sua marca no coração de todos os que tiveram o privilégio de com ele privar, vinha-lhe da devoção profunda a Nossa Senhora do Carmo, com cujo escapulário foi investido à nascença e do amor à Divina Eucaristia e ao próximo, a favor do quais sacrificou toda a sua existência.

Acometido de leucemia, José Timóteo Giaccardo faleceu, a 24 de Janeiro de 1948, doze dias depois do Santo Padre Pio XII ter aprovado o decreto da instituição da Congregação das Irmãs Discípulas do Divino Mestre, pela qual oferecera a sua vida.

O coração e a alma da Família Paulina, segundo o Padre Alberione, foi beatificado, em Roma, pelo Papa São João Paulo II, a 22 de Outubro de 1989.