Santa Narcisa de Jesus Martillo Móran — 8 de Dezembro

0

Por Olívia Rodrigues

Narcisa de Jesus nasceu, em Nobol, Equador, a 29 de Outubro de 1832, numa família de camponeses católicos. Os poucos anos que a mãe viveu foram os suficientes para lhe fazer enraizar os valores éticos e cristãos que, a nortearam durante toda a vida.

Jovem alegre, carinhosa, cumpridora, inteligente e generosa, cedo se teve de colocar ao lado do pai para o apoiar na educação dos irmãos mais novos. Esta responsabilidade nunca a impediu de aprender um ofício – costureira – nem de aprofundar a formação cristã, dedicando largo tempo à oração e, valorizando a direcção espiritual.

Iniciou a sua caminhada na vinha do Senhor, aos dezoito anos. Após o falecimento do pai, mudou-se para outro local – Guayaquil – aí: trabalhou com o Padre Luís Tola, ministrou a catequese, acompanhou as jovens abandonadas, internadas na Casa de Acolhimento; ajudou toda a espécie de carenciados e visitou os doentes. O seu magro salário era quase todo empregado nestas obras. Para melhor exercer este apostolado, ingressou na Ordem Terceira Dominicana, fazendo, particularmente, votos de virgindade, pobreza e obediência na vida eremítica, entre outros.

Era muito exigente consigo própria: jejuava, frequentemente, e submetia-se a dolorosas penitências pois entendia que desta maneira conseguiria estar em mais íntima união com a Paixão de Cristo. O seu desejo era desagravar os sofrimentos infligidos ao Senhor, pela humanidade pecadora.

Nutria especial devoção à Sagrada Eucaristia, ao Sagrado Coração de Jesus, ao Santíssimo Sacramento e a Nossa Senhora; caminho seguro que a conduziria, e a todos nós, ao Céu para onde partiu, serenamente, a 8 de Dezembro de 1869, em Lima, Perú, numa pobre cela do Convento do Patrocínio.

Narcisa de Jesus Martillo Morán, exemplo de serenidade, trabalho, sacrifício e amor incondicional a Jesus, à Virgem Maria e aos irmãos mais necessitados, deixou-nos como herança a certeza de que uma vida humilde e apagada, recheada de boas obras, nos poderá conduzir à santidade.

São João Paulo II beatificou, esta irmã leiga dominicana, a 25 de Outubro de 1992; e Sua Santidade o Papa Bento XVI canonizou-a, no dia 12 de Outubro de 2008. Na cerimónia referiu: “Santa Narcisa de Jesus mostra-nos um caminho de perfeição cristã. Oferece-nos um testemunho atraente e um exemplo acabado de uma vida totalmente dedicada a Deus e aos irmãos”.