Santa Maria da Cruz MacKillop — 8 Agosto

0

Por Olívia Rodrigues

Maria Helena nasceu, a 15 de Janeiro de 1842, em Melburne, Austrália, numa família católica dedicada à pequena agricultura.

Os oito filhos do casal foram, esmeradamente, educados pelo pai, homem que havia frequentado o seminário mas, perto da ordenação sacerdotal, resolvera mudar de rumo. A fraca aptidão que tinha para o trabalho do campo e as diversas tentativas falhadas, incluída a emigração, resultaram numa vida cheia de dificuldades económicas, colmatadas, muitas vezes, pelas pequenas tarefas que, as crianças desempenhavam para os vizinhos.

Maria, muito cedo, conheceu o que eram privações e a aprender a superá-las, preparando-se e bem, para a vida; iria, futuramente, deparar-se com obstáculos, sacrifícios e sofrimentos de monta.

Começou a trabalhar, aos catorze anos, como empregada doméstica a fim de ajudar a família, ao mesmo tempo que estudava: queria dedicar-se às crianças, e nada melhor que a docência.

No decorrer desta sua actividade, no sul da Austrália, teve oportunidade de, também, ajudar e cuidar de muitos garotos pobres das fazendas vizinhas, e de conhecer o Padre Julião Woods, marco importante na sua vida.

Com o apoio deste sacerdote, bastante preocupado e empenhado na instrução e formação católica dos habitantes daquela região, fundou a Congregação das Irmãs de São José do Sagrado Coração de Jesus para o Ensino, dando assim resposta a tais necessidades. Foi o Padre Woods, director espiritual da Irmã Maria que, escreveu as regras aprovadas, em 1867, pelo Bispo de Sheil.

Mulher de forte personalidade, dedicada à oração, apoiada no Santíssimo Sacramento, na Eucaristia, na meditação, na devoção à Virgem e com amor incondicional às crianças, aos órfãos, aos pobres e aos doentes; tudo aceitou e superou até mesmo a sua excomunhão e a dissolução da Congregação pelo Bispo que, anteriormente, a aprovara.

Inaugurou escolas em vários sítios como: Portland, no estado de Vitória; Penola e Adelaide, contando com a ajuda das duas irmãs religiosas e do irmão, padre jesuíta; viajou até Inglaterra, Irlanda e Escócia, país de origem da mãe, a fim de angariar vocações.

O grave erro cometido pelo prelado de Sheil, não a deixou imobilizada: lutou, incansavelmente, para que as coisas se recompusessem, e o facto é que o bispo, no leito de morte, reconheceu a culpa e revogou a decisão. A aprovação papal da Congregação obteve-a, em 1888, por decreto de Sua Santidade Leão XIII.

O êxito da Congregação das Irmãs de São José do Sagrado Coração de Jesus que, se estendeu para a Nova Zelândia e Perú, deve-se não só à força e trabalho incansável dos dois fundadores mas, também, aos princípios definidos na Regra, sobretudo: a pobreza, em dependência total à Divina Providência – não podiam possuir propriedades pessoais; confiança total no Senhor que proveria o necessário – e as Irmãs deslocar-se-iam, sempre, para onde fossem necessárias.

Maria Helena Mackillop – Madre Maria da Cruz – co-fundadora da primeira congregação religiosa instituída por australianos, após vários anos de sofrimento provocado pelo reumatismo, faleceu, a 8 de Agosto de 1909, com fama de santidade.

A primeira santa australiana foi canonizada por Sua Santidade o Papa Bento XVI, a 17 de Outubro de 2010, tendo sido, anteriormente, beatificada por São João Paulo II, a 19 de Janeiro de 1995.