Métodos usados nas ETAR não são eficazes na remoção dos vírus mais resistentes

0

Um estudo desenvolvido na Faculdade de Farmácia de Coimbra concluiu que os métodos utilizados nas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) não são eficazes na remoção dos vírus mais resistentes. “Análises realizadas em amostras colhidas em 15 ETAR, de norte a sul do país”, no âmbito daquele estudo, revelaram “a presença de quantidades elevadas de material genético de alguns vírus, tais como poliomavírus JC e Norovírus”.